sexta-feira

hoje choveu.
todas as gotas que caíram daquele céu cinzento me pareceram lágrimas.
lágrimas, sabes o que isso é?
algo que caiu dos meu olhos tantas e tantas vezes
quando percebi que muito tinha ainda a perceber
sobre ti e tudo que trouxeste
quando entraste de rompante nesta vida
que eu chamo de amargurada no seu sentido
mais cheio de rancor.

hoje choveu.
e todas as poças de água que vi na rua me pareceram cemitérios.
cheias de lágrimas mortas de desejo
ávidas por serem ouvidas
sempre que caem, sempre que molham
o caminho que percorrem
por mais longo ou duro que seja
elas caem.

hoje choveu.
e todas as ideias que tive não eram mais que melancolias passadas.
com um som de máquina infernal no fundo
crescendo em dó maior
atingindo um sustenido
e um fá bemol
como se de uma sinfonia se tratasse
todo este uníssono de sentimentos
de palavras e gestos
a que eu chamo amor.

hoje choveu.
e tu? continuas dentro de mim.

2 comentários:

VâniaCarneiro disse...

Mas se é isso o que te vai na alma, força. Pelo menos ficas mais aliviado, penso eu .

VâniaCarneiro disse...

Adoro os teus textos , só não me agrada o facto de serem tão tristes. Quero-te feliz rapaz (: